DATA E HORA

CIDADE DE CABO FRIO - ESTADO DO RIO DE JANEIRO -

QUEM SOU EU

Minha foto
OBJETIVO DESTE BLOG É ENSINO DA PALAVRA DE DEUS E DIVULGADOR DAS SANTAS ESCRITURAS. OBJETIVO TAMBÉM É DIVULGAR E PROMOVER A EBD, TRAZENDO IDEIAS E NOTÍCIAS DESTA TÃO IMPORTANTE ORGANIZAÇÃO DA IGREJA. QUE DEUS NOS ABENÇOE.

propaganda

propaganda

Viersiculos

19/02/2017

LIÇÃO 9 – A VITÓRIA QUE DEUS NOS DÁ SOBRE A INVEJA Textos Bíblicos: Números 16.3,10,22,31-35; Tiago 3.16




LEITURA BÍBLICA DIÁRIA

Segunda-feira: Gênesis 26.1-25
Terça-feira: Gênesis 37.1-11 
Quarta-feira: 1 Reis 21.1-16 
Quinta-feira: Marcos 7.14-23 
Sexta-feira: Gálatas 5.16-26 
Sábado: 1 Timóteo 6.3-10 
Domingo: Tiago 4.1-10

3- Eles se ajuntaram contra Moisés e Arão, e lhes disseram: "Basta! A assembléia toda é santa, cada um deles é santo, e o Senhor está no meio deles. Então, por que vocês se colocam acima da assembléia do Senhor? "
10- Ele trouxe você e todos os seus irmãos levitas para junto dele, e agora vocês querem também o sacerdócio?
22- Mas Moisés e Arão prostraram-se, rosto em terra, e disseram: "Ó Deus, Deus que a todos dá vida, ficarás tu irado contra toda a comunidade quando um só homem pecou? "
31 Assim que Moisés acabou de dizer tudo isso, o chão debaixo deles fendeu-se
32- e a terra abriu a sua boca e os engoliu juntamente com suas famílias, com todos os seguidores de Corá e com todos os seus bens.
33- Desceram vivos à sepultura, com tudo o que possuíam; a terra fechou-se sobre eles, e pereceram dentre a assembléia.
34- Diante dos seus gritos, todos os israelitas ao redor fugiram, gritando: "A terra vai nos engolir também! "
35- Então veio fogo da parte do Senhor e consumiu os duzentos e cinqüenta homens que ofereciam incenso.
Tiago 3.16- Pois onde há inveja e ambição egoísta, aí há confusão e toda espécie de males.

Introdução

A saída do povo de Israel da terra do Egito foi obra de Deus (Êx 3.7,8). Miraculosos e grandiosos sinais foram operados para que o Faraó liberasse o povo (Nm 14.22). Do mesmo modo, a Terra Prometida seria conquistada pelo poder e Graça de Deus. Os inimigos que lá estavam seriam destruídos mediante a intervenção divina, como ocorreu com a primeira cidade conquistada (Jericó – 38 anos depois – Js 6). Calebe foi usado pelo Espírito Santo para dar uma palavra de fé: “Vamos pois, subamos e possuamos a terra porque certamente prevaleceremos contra ela” (Nm 13.30), mas o povo preferiu lamentar, murmurar e viver o desespero.
A Bíblia nos afirma que o Espírito Santo quer ajudar nas nossas fraquezas (Rm 8.26), a fim de que consigamos vencer a luta contra o pecado e os defeitos de caráter que ainda precisam ser corrigidos em nós, para que conquistemos tudo aquilo que Deus planejou para nossas vidas (Fp 1.6). A inveja é um comportamento que precisa ser destruído, pois trata-se de um inimigo oculto que pode nos causar grandes males. O Grande Comandante, através de Sua palavra, nos dá instruções para obtermos bom êxito na luta contra essa falha de caráter (Tg 1.21).

1 – A inveja é um gigante que precisa ser conhecido

O Dicionário Técnico de Psicologia define a inveja como “um sentimento desconfortável que é estimulado pela consciência de que outra pessoa tem o que desejamos, mas que nos falta” (Cabral, Álvaro e Nick: 2001, p. 165). É útil lembrar que inveja, ciúme e cobiça são sentimentos correlatos. Eles surgem como uma forma de manifestar o nosso descontentamento com a nossa posição e as nossas posses. Na Pequena Enciclopédia Bíblica (Ed. Vida), lemos que inveja é “um misto de desgosto e ódio provocado pela prosperidade ou alegria de outrem. Temos ciúme do que é nosso e inveja do que o próximo possui”. Assim, a inveja nos faz alegrar com o infortúnio do outro ou nos faz entristecer quando nosso semelhante está jubiloso por ter alcançado o sucesso ou a vitória que almejávamos. 
A inveja é mais um traço da velha natureza, um desvio de caráter que muitas vezes é ignorado entre os cristãos. Mas é um mal extremamente corrosivo na área dos relacionamentos, sobretudo na vida de quem a abriga. Inicia-se na mente, através de sugestões e desejos materialistas. Através de uma apurada sensibilidade espiritual, é possível identificá-la e eliminá-la imediatamente.
A inveja se caracteriza pelo pesar do sucesso alheio. Na prática, a inveja está ligada diretamente ao pecado da cobiça, ou seja, um tipo de ciúme mais elaborado. Na caminhada de Israel à Terra Prometida, Deus proíbe tal sentimento por meio de um de Seus mandamentos: “Não cobiçarás a casa do teu próximo. Não cobiçarás a mulher do teu próximo e nem coisa alguma que pertença ao teu próximo” (Ex. 20.17).

2 – A inveja produz efeitos destruidores

A Bíblia nos afirma que a inveja pode brotar no meio de disputas vulgares, carnais e por questões mesquinhas. Paulo, escrevendo ao seu filho na fé, Timóteo, disse: “Se alguém ensina outra doutrina e não concorda com as sãs palavras, é enfatuado, nada entende, mas tem mania por questões e contenda de palavras, de que nascem inveja, provocação, difamações e suspeitas malignas” (1Tm 6.3,4). Indivíduos imaturos dão lugar ao sentimento invejoso (1Co 3.3-9) e usam de artimanhas para causar dano aos outros.
A inveja é capaz de produzir atitudes destruidoras, como divisão, rebeldia, politicagem, contendas e maledicência. O apóstolo Tiago nos adverte, dizendo: “Se pelo contrário, tendes em vosso coração inveja amargurada e sentimento faccioso, nem vos glorieis disso, nem mintais contra a verdade” (Tg 3.14). A inveja é a mãe da cobiça e esses sentimentos intoxicam a alma, cegam o entendimento e enfraquecem o amor entre as pessoas. 
 É na inveja que alguns males tem origem: complexo de inferioridade, insatisfação constante, mau humor, ira, mentira, desconfiança, difamação, etc. Além disso, a inveja abre a porta da alma para inúmeras doenças. O sábio Salomão nos adverte, dizendo: “O coração em paz dá vida ao corpo, mas a inveja apodrece os ossos” (Pv 14.30 – NVI), mas na NTLH lemos: “Mas a inveja destrói como o câncer”.
A inveja é um sentimento que gera a morte. A inveja mata! Caim matou Abel por pura inveja (Gn 4.3-5). Caim não admitia a ideia de seu irmão ser melhor do que ele, de ter sido aprovado e aceito por Deus em vez dele. Coré, Datã e Abirão morreram em razão de não se contentarem com o ministério levítico e invejarem o sacerdócio de Arão e a liderança e autoridade de Moisés (Nm 16.9,10). Em Salmos 106.16, lemos: “Tiveram inveja de Moisés, no acampamento, e de Arão o santo do Senhor”.
A inveja e a ambição ciumenta levaram Lúcifer a se rebelar contra Deus, dizendo: “Subirei ao céu e, acima das estrelas de Deus, exaltarei o meu trono... Subirei acima das mais altas nuvens e serei semelhante ao Altíssimo” (Is 14.13,14).

3 – A inveja pode ser destruída pela “Espada do Espírito”

A Bíblia, essa poderosa Espada do Espírito, vem ao nosso encontro oferecendo-nos recursos para vencermos o veneno da inveja. O apóstolo Paulo, escrevendo aos cristãos filipenses, declarou: “Sei estar abatido e sei também ter abundância; em toda a maneira e em todas as coisas, estou instruído, tanto a ter fartura como a ter fome, tanto a ter abundância, como a padecer necessidades. Posso todas as coisas através daquele que me fortalece: Jesus”. (Fp 4.12,13).
Salomão escreveu: “O coração com saúde é a vida da carne, mas a inveja é a podridão dos ossos” (Pv 14.30) e “Cruel é o furor e impiedosa é a ira. Mas quem pode resistir à inveja?” (Pv 27.4). O escritor da carta aos Hebreus, escreveu: “Sejam vossos costumes sem avareza, contentando-vos com o que tendes; porque ele disse: Não te deixarei e nem te desampararei” (Hb 13.5).
Um dos princípios para que haja vitória é rejeitar todo sentimento de inveja desde a sua fonte que é o pensamento. Paulo nos ajuda a repensar a vida a partir de uma perspectiva espiritual: “Pensai nas coisas do alto e não nas que são da terra” (Cl 3.2). Essa busca pelas “coisas do alto, onde Cristo vive, assentado à direita de Deus” (Cl 3.1), requer investir numa vida cristã intensa e procurar viver sob o controle do Espírito Santo (Ef 5.18), pois esse é o principal antídoto contra o veneno da carnalidade e do materialismo largamente manifestada nas “obras da carne” (Gl 5.19-21). Assim, a inveja fica inoperante se as “fontes” de alimentação forem cortadas, como, por exemplo, a falta de compromisso com Deus, Sua Palavra e Sua obra.

Conclusão

Circula pelas cidades um adesivo colocado no vidro traseiro dos carros, que diz: “A inveja mata!”. E mata mesmo! Ela é capaz de destruir o melhor das pessoas, de matar o amor, de roubar a vida comunitária, a amizade e outras coisas igualmente importantes para o bom relacionamento interpessoal. Israel fracassou em tomar possa da Terra Prometida porque não abandonou o Egito por completo. Do mesmo modo, se não nos despirmos inteiramente dos vícios e comportamentos próprios do mundo e, em seguida nos revestirmos do senhorio de Jesus Cristo (Rm 13.14), jamais conseguiremos amadurecer espiritualmente e desfrutar do melhor que Deus tem para a nossa vida. Certamente, Deus tem o melhor para nós! Mas precisamos abandonar esse sentimento desastroso chamado inveja.

Para pensar em agir:

1. Como você reagiu e venceu o sentimento de inveja em diferentes fases de sua vida?

2. Você tem consciência de que a inveja mata? Mas de que forma?

3. Se Deus abomina a inveja, quais as consequências espirituais?

4. Como você interpreta o texto de Mateus 27.18?
                             Uma Excelente Aula.

Fonte:Revista palavra e vida-Convenção Batista Fluminense. 

17/09/2016

CONGRESSO MULTIPLIQUE REGIONAL


Revista Palavra e Vida 4 Trimestre - FATOS PARA HOJE- O livro de Atos dos Apóstolos





FATOS PARA HOJE

   O livro de Atos dos Apóstolos também chamado por muitos de “Atos da Igreja de Jesus Cristo”, contém inúmeras histórias que inspiram o leitor devotado e atento a ser um instrumento nas mãos de Deus. Estudar Atos é uma oportunidade de analisar a essência da Igreja de Cristo e o cuidado de Deus em guiar, proteger e orientar o seu povo. É um livro que revela o nosso “DNA”, nos instrui quanto às características que nos diferem e nos aponta o caminho seguro para simplesmente sermos uma Igreja. Também é um livro que nos motiva ao enchimento do Espírito Santo. Neste quarto trimestre de 2016 vamos investigar algumas histórias em busca dos princípios que nos permitirão cumprir as ordens do nosso Mestre Jesus.

      O médico Lucas escreveu Atos, provavelmente na segunda metade do primeiro século. Seus 28 capítulos são relatos que comprovam que a história de Jesus não terminou com Jesus. Os cristãos deram continuidade, participando ativamente da ação de Deus para alcançar os pecadores. Veremos que pessoas como nós, formaram a chamada “Igreja Primitiva”. Irmãos que aceitaram o desafio e, cheios do Espírito Santo, testemunharam acerca dos mistérios de Deus. Os resultados se estenderam até os nossos dias e deverão continuar por toda a eternidade. Daí a importância de avaliarmos os princípios (algumas disciplinas que são predominantes na Igreja de Jesus Cristo e que carecem da nossa atenção) que fizeram a diferença no primeiro século e com a devida contextualização, evidenciá- los hoje.

      A Igreja somos nós! Nossa expectativa é que após o estudo dedicado de cada lição, o aluno assuma o compromisso de agir de acordo com os princípios que fizeram da Igreja de Jesus Cristo uma comunidade separada, cheia do poder de Deus e com uma mensagem capaz de revolucionar o mundo. Vamos juntos em busca dos fatos que nos ajudarão a saber o que aconteceu com a Igreja. É tempo de retornarmos aos princípios bíblicos que levaram nossos irmãos no passado a serem chamados de cristãos (At 11.26). 
                                                Bom trimestre! 

Revista Palavra e Vida 4 Trimestre - FATOS PARA HOJE- O livro de Atos dos Apóstolos








FATOS PARA HOJE

   O livro de Atos dos Apóstolos também chamado por muitos de “Atos da Igreja de Jesus Cristo”, contém inúmeras histórias que inspiram o leitor devotado e atento a ser um instrumento nas mãos de Deus. Estudar Atos é uma oportunidade de analisar a essência da Igreja de Cristo e o cuidado de Deus em guiar, proteger e orientar o seu povo. É um livro que revela o nosso “DNA”, nos instrui quanto às características que nos diferem e nos aponta o caminho seguro para simplesmente sermos uma Igreja. Também é um livro que nos motiva ao enchimento do Espírito Santo. Neste quarto trimestre de 2016 vamos investigar algumas histórias em busca dos princípios que nos permitirão cumprir as ordens do nosso Mestre Jesus.

      O médico Lucas escreveu Atos, provavelmente na segunda metade do primeiro século. Seus 28 capítulos são relatos que comprovam que a história de Jesus não terminou com Jesus. Os cristãos deram continuidade, participando ativamente da ação de Deus para alcançar os pecadores. Veremos que pessoas como nós, formaram a chamada “Igreja Primitiva”. Irmãos que aceitaram o desafio e, cheios do Espírito Santo, testemunharam acerca dos mistérios de Deus. Os resultados se estenderam até os nossos dias e deverão continuar por toda a eternidade. Daí a importância de avaliarmos os princípios (algumas disciplinas que são predominantes na Igreja de Jesus Cristo e que carecem da nossa atenção) que fizeram a diferença no primeiro século e com a devida contextualização, evidenciá- los hoje.

      A Igreja somos nós! Nossa expectativa é que após o estudo dedicado de cada lição, o aluno assuma o compromisso de agir de acordo com os princípios que fizeram da Igreja de Jesus Cristo uma comunidade separada, cheia do poder de Deus e com uma mensagem capaz de revolucionar o mundo. Vamos juntos em busca dos fatos que nos ajudarão a saber o que aconteceu com a Igreja. É tempo de retornarmos aos princípios bíblicos que levaram nossos irmãos no passado a serem chamados de cristãos (At 11.26). 
                                                Bom trimestre!