flash

DATA E HORA

CIDADE DE CABO FRIO - ESTADO DO RIO DE JANEIRO -

QUEM SOU EU

Minha foto
OLÁ MEUS AMIGOS,MEU NOME É JOSÉ AUGUSTO CASADO COM LÍDIA,SOU CABOFRIENSE ,BRASILEIRO,SOU CRISTÃO- MEMBRO DA 1ª IGREJA BATISTA EM SÃO CRISTOVÃO-C.FRIO SOU APAIXONADO PELO ENSINO DA PALAVRA DE DEUS E DIVULGADOR DAS SANTAS ESCRITURAS. OBJETIVO DESTE BLOG É DIVULGAR E PROMOVER A EBD, TRAZENDO IDEIAS E NOTÍCIAS DESTA TÃO IMPORTANTE ORGANIZAÇÃO DA IGREJA. QUE DEUS NOS ABENÇOE.

Viersiculos

Configurar páginas

20/07/14

Lição 4- O amor ao dinheiro, a raiz de todos os males

























Lição 4- O amor ao dinheiro, a raiz de todos os males

Texto Bíblico: 1Timóteo 6.10

INTRODUÇÃO

          Nos dias atuais, vivemos sob as mais diversas pressões, para fazermos das riquezas a base da nossa segurança e da nossa felicidade. A todo instante somos bombardeados por uma série formidável de impulsos emocionais externos, que tentam fazer de nós meros consumidores e possuidores de bens. Se não estivermos precavidos, até mesmo a nossa interpretação acerca de textos, como “Tragam o dízimo todo ao depósito do templo, para que haja alimento em minha casa. Ponham-me à prova, diz o Senhor dos Exércitos, e vejam se não vou abrir as comportas dos céus e derramar sobre vocês tantas bênçãos que nem terão onde guardá-las que está em Malaquias 3.10, sem que o queiramos, através de um processo inconsciente, pode ser uma base para gerar sentimentos de amor ao dinheiro.
Satanás sabe como usar uma passagem bíblica, distorcendo o seu real significado, para nos afastar do propósito de Deus. Ele usou essa tática com o próprio Cristo (Mt 4.1-11). Os cristãos precisam estar atentos para que o amor ao dinheiro, de uma forma ou de outra, não venha se aninhar no coração da igreja. Neste estudo, abordaremos alguns princípios importantes nos quais devemos pensar.

A NECESSIDADE DE ENSINO DA DOUTRINA BÍBLICA DA MORDOMIA

          O ensino constante da doutrina bíblica da mordomia municiará os crentes, de recursos poderosos para se defenderem dos constantes assédios realizados através dos apelos da mídia, para que eles adotem as filosofias do mundo em relação aos bens materiais. O crente precisa discernir, à luz da Bíblia, onde, como, quando, e em que deve empregar o seu dinheiro. A Bíblia é rica em ensinamentos que ajudarão os crentes a não serem consumistas inveterados.
          Olhemos alguns textos:   
Então lhes disse: Cuidado! Fiquem de sobreaviso contra todo tipo de ganância; a vida de um homem não consiste na quantidade dos seus bens" (Lc 12.15). O ensino de Jesus é claro, o crente precisa ser cauteloso quanto à conquista de bens, pois eles não são as coisas mais importantes da vida.
Não estou dizendo isso porque esteja necessitado, pois aprendi a adaptar-me a toda e qualquer circunstância. Sei o que é passar necessidade e sei o que é ter fartura. Aprendi o segredo de viver contente em toda e qualquer situação, seja bem alimentado, seja com fome, tendo muito, ou passando necessidade. Tudo posso naquele que me fortalece(Fp 4.11-13).  Nesse ensino, Paulo, mostra toda a nossa dependência de Deus e torna o crente mais forte. Além de ensiná-lo a viver mais sabiamente.
Quem ama o dinheiro jamais terá o suficiente; quem ama as riquezas jamais ficará satisfeito com os seus rendimentos. Isso também não faz sentido.
Quando aumentam os bens, também aumentam os que os consomem. E que benefício trazem os bens a quem os possui, senão dar um pouco de alegria aos seus olhos?
(
Ec 5.10,11). O sábio observou que a alegria dos olhos, baseada na aquisição e consumo, é passageira; na realidade, frustra a alma.
De fato, a piedade com contentamento é grande fonte de lucro,
pois nada trouxemos para este mundo e dele nada podemos levar;
por isso, tendo o que comer e com que vestir-nos, estejamos com isso satisfeitos
” (1Tm 6.6-8). A insatisfação com a providência divina tem levado muitos crentes a se afastarem de Deus, com isso, tornam-se frios espiritualmente e já não mais desenvolvem seus dons e talentos para servirem a Deus em espírito e em verdade (Jo 4.23).

O CRENTE PRECISA FAZER DA IGREJA UMA COMUNHÃO DE AMOR

Ezequias designou os sacerdotes e os levitas por turnos, cada um de acordo com os seus deveres, para apresentarem holocaustos e sacrifícios de comunhão, ministrarem, darem graças e cantarem louvores junto às portas da habitação do Senhor. O rei contribuía com seus próprios bens para os holocaustos da manhã e da tarde e para os holocaustos dos sábados, das luas novas e das festas fixas, conforme o que está escrito na Lei do Senhor. Ele ordenou ao povo de Jerusalém que desse aos sacerdotes e aos levitas a porção que lhes era devida a fim de que pudessem dedicar-se à Lei do Senhor” (2Cr 31.2-4).
          Vivendo em amor, fazendo da igreja uma comunhão de amor, eliminando a louca corrida em busca de posição social, segundo os padrões do mundo, criando um ambiente de ajuda mútua e fraternidade, sendo uma comunidade onde os valores espirituais são predominantes, a igreja se constituirá em um refúgio, onde a família cristã estará abrigada contra as ondas avassaladoras do materialismo, sejam quais forem as cores ideológicas com que ele venha pintado.

CADA FAMÍLIA, UMA TRINCHEIRA CONTRA AS CILADAS DO DIABO

Quando a festa acabou, os israelitas saíram pelas cidades de Judá e despedaçaram as pedras sagradas e derrubaram os postes sagrados. Eles destruíram os altares idólatras em todo o Judá e Benjamim, e em Efraim e Manassés. Depois de destruírem tudo, voltaram para as suas cidades, cada um para a sua propriedade” (2Cr 31.1).
            A busca intensa da vida cristã no lar, como base do poder espiritual da igreja, fará de cada família uma trincheira contra as artimanhas do diabo, e um comando eficiente em testemunhar da fé nos valores mais altos. Se os lares forem consolidados na Palavra de Deus, dificilmente os seus membros serão levados pelas ondas da visão materialista do mundo. Famílias espiritualmente fortalecidas jamais passarão privações. Jamais cederão aos desejos de adquirirem aquilo que está além das suas posses. Jamais irão se endividar com coisas desnecessárias.

A PRÁTICA DA GENEROSIDADE NA CONTRIBUIÇÃO

Assim que se divulgou essa ordem, os israelitas deram com generosidade o melhor do trigo, do vinho, do óleo, do mel e de tudo o que os campos produziam. Trouxeram o dízimo de tudo. Era uma grande quantidade.
Os habitantes de Israel e de Judá que viviam nas cidades de Judá também levaram o dízimo de todos os seus rebanhos e das coisas sagradas dedicadas ao Senhor, o seu Deus, ajuntando-os em muitas pilhas
” (
2Cr 31.5,6).
          Isto fortalecerá os crentes para que não sejam contaminados pela avareza. Ao separar uma parte da sua renda para servir a Deus, o Cristão está defendendo a si mesmo de colocar no dinheiro a razão de ser da sua própria vida, ao mesmo tempo em que estará contribuindo para que muitos outros, por meio da obra da igreja, sejam libertados dessa doença maligna.

OS BENS SÃO UMA DÁDIVA DE DEUS

"Prometemos não dar nossas filhas em casamento aos povos vizinhos nem aceitar que as filhas deles se casem com os nossos filhos. Quando os povos vizinhos trouxerem mercadorias ou cereal para venderem em dia de sábado ou de festa, não compraremos deles nesses dias. Cada sete anos abriremos mão de trabalhar a terra e cancelaremos todas as dívidas. Assumimos a responsabilidade de, conforme o mandamento, dar anualmente quatro gramas para o serviço do templo de nosso Deus: para os pães consagrados, para as ofertas regulares de cereal e para os holocaustos, para as ofertas dos sábados, das festas de lua nova e para as festas fixas, para as ofertas sagradas, para as ofertas pelo pecado para fazer propiciação por Israel, e para as necessidades do templo de nosso Deus. Também tiramos sorte entre as famílias dos sacerdotes, dos levitas e do povo, para escalar anualmente a que deverá trazer lenha ao templo de nosso Deus, no tempo determinado, para queimar sobre o altar do Senhor, o nosso Deus, conforme está escrito na Lei.
Também assumimos a responsabilidade de trazer anualmente ao templo do Senhor os primeiros frutos de nossas colheitas e de toda árvore frutífera” (
Ne 10.30-35).
          Não importa o seu gênero ou a sua qualidade. Os bens, sejam humanos ou materiais, devem ser adquiridos conforme a santidade de Deus e usados sob a soberania de Deus, para a glória de Deus. Essa é a consciência da mordomia cristã total. Deus é o Senhor de tudo em nossa vida – da nossa alma e do nosso corpo com todos os seus envolvimentos, potencialidades, necessidades, aptidões, e isso não significa somente que Ele nos supre o que é necessário, mas também que Ele tem direito de exigir contas de nós.

CONCLUSÃO

O dinheiro pode ser uma benção ou uma maldição, dependendo da nossa submissão ou rejeição aos princípios da Palavra de Deus em relação aos bens materiais que estão sob a nossa guarda temporária. O dinheiro é o melhor escravo – o mais dócil e versátil, mas o pior senhor – o mais violento e cruel.
O amor ao dinheiro cega a consciência, perverte princípios éticos mais elevados, gera uma ambição obcecante, tira a sensibilidade da pessoa para com as necessidades do próximo, deteriora o convívio do homem com a sua família e com a sociedade, gera conflitos, separação de casais, orfandade com pais vivos, desequilíbrios emocionais, traumas psíquicos, desvios de conduta, desajustamento de personalidade, sendo difícil imaginar que o inferno seria um tormento maior. Talvez seja a doença espiritual mais difícil de curar. Jesus mesmo afirmou: “Quão dificilmente entrarão no reino de Deus os que têm riquezas!” (Mc 10.23).
Devemos colocar a nossa confiança em Deus, que pode prover todas as nossas necessidades, e não deixarmos a avareza ocupar todos os espaços do nosso coração em lugar da fé.
         
PARA REFLETIR:
·       Qual o lugar que o dinheiro tem ocupado em minha vida?
·       Eu e minha família temos sido prudentes em nossas aquisições?
·       Leia atentamente 1Timóteo 6.10, e veja as consequências da cobiça.


FONTE: PALAVRA E VIDA REVISTA- CONVENÇÃO BATISTA FLUMINENSE.
http://www.batistafluminense.org.br/

08/03/14

A IGREJA DE CRISTO


" Tu és Pedro, e sobre essa pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela"
                             MATEUS 16.18

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL A MAIOR DO MUNDO

" O meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conhecimento. Portanto rejeitaste o conhecimento, também eu te rejeitarei, para que não seja sacerdote diante de mim"
                                              Oséias 4:6 
     Primeira Igreja Batista Em São Cristóvão
        São Cristóvão- Cabo Frio
        Rua Marques de Olinda,397

27/10/13

Reforma Protestante


Reforma Protestante
A Reforma Protestante foi um movimento reformista cristão iniciado no início do século XVI por Martinho Lutero, quando através da publicação de suas 95 teses, em 31 de outubro de 1517 1 2 na porta da Igreja do Castelo de Wittenbergprotestou contra diversos pontos da doutrina da Igreja Católica Romana, propondo uma reforma no catolicismo romano. Os princípios fundamentais da Reforma Protestante são conhecidos como os Cinco solas.3
Lutero foi apoiado por vários religiosos e governantes europeusprovocando uma revolução religiosa, iniciada na Alemanha, estendendo-se pela SuíçaFrançaPaíses BaixosReino UnidoEscandinávia e algumas partes do Leste europeu, principalmente os Países Bálticos e a Hungria. A resposta da Igreja Católica Romana foi o movimento conhecido como Contra-Reforma ou Reforma Católica, iniciada no Concílio de Trento.
O resultado da Reforma Protestante foi a divisão da chamada Igreja do Ocidente entre os católicos romanos e osreformados ou protestantes, originando o Protestantismo.