DATA E HORA

CIDADE DE CABO FRIO - ESTADO DO RIO DE JANEIRO -

QUEM SOU EU

Minha foto
OBJETIVO DESTE BLOG É ENSINO DA PALAVRA DE DEUS E DIVULGADOR DAS SANTAS ESCRITURAS. OBJETIVO TAMBÉM É DIVULGAR E PROMOVER A EBD, TRAZENDO IDEIAS E NOTÍCIAS DESTA TÃO IMPORTANTE ORGANIZAÇÃO DA IGREJA. QUE DEUS NOS ABENÇOE.

propaganda

propaganda

Viersiculos

08/01/2017

Lição 2 – A VITÓRIA QUE DEUS NOS DÁ SOBRE A CULPA





Introdução

O dicionário Aurélio define culpa como: “Ação negligente ou imprudente ou danosa a outrem. Responsabilidade por ação ou omissão prejudicial, reprovável ou criminosa, mas não intencional”. A Psicologia, por sua vez, considera o sentimento de culpa como “compreensão de que se violou um princípio ético ou moral, combinada com um sentimento de desclassificação pessoal resultante dessa violação”.

Nós temos uma consciência moral que nos inquieta em decorrência de alguma coisa que falamos impensadamente – com intenção ou não ou que fizemos de errado. A nossa consciência é logo acionada, ficamos incomodados e procuramos de alguma forma reparar o erro. Mas nem sempre é possível modificar o estrago feito, como no episódio do julgamento de Jesus e a ação desastrosa de Pilatos, “lavando as mãos em uma bacia e repetindo que não tinha culpa na incriminação de Jesus” (Mt 27.24).

No caso dos dez espias de Israel, a covardia deles gerou incredulidade e esta os levou a desobedecer a Deus, que logo em seguida os puniu severamente. Em razão disso, um tremendo sentimento de culpa dominou todo aquele povo. Aliada à falta de humildade, a culpa pode agravar a soberba da pessoa que tenta justificar seu erro e buscar mais cúmplices (v. 40). Isso só piora as coisas.

Existem dois tipos de culpa: A improcedente, isto é, aquela em que somos acusados sem termos praticado o delito. O diabo é perito nesse tipo de ação quando nos acusa dia e noite (Ap 12.10). E a procedente, que é aquela oriunda de um ato praticado por nós, conscientes de nossos delitos. Tanto no primeiro, quanto no segundo caso, não podemos permitir sermos atormentados pela culpa e devemos nos livrar desse cativeiro, com base na Palavra do Senhor. Pecado confessado, pecado perdoado (1Jo 1.9).

1 – O Sentimento de culpa contamina diversas áreas da vida

Essa é uma das principais armas de Satanás para nos derrubar. Ele faz a pessoa sentir-se culpada, responsável e viver sob o peso constante de uma falta. Isso nos impede de crescer em Cristo porque produz outros sentimentos destruidores como: tristeza, desânimo, depressão, anulação e, em muitos casos, até o suicídio, como no caso de Judas Iscariotes (Mt 27.3-5). Pedro, depois de negar a Cristo por três vezes, foi dominado por uma culpa destruidora a ponto de chorar amargamente (Mt 26.75).

 O sentimento de culpa nos leva a agir quando já é tarde demais, ou a agir por conta própria para tentar consertar o erro, como fizeram alguns líderes do povo – que não queriam voltar para o deserto como Deus havia mandado – mas o Senhor os entregou à derrota e vergonha completa (Dt 1.41-46).

A culpa pode nos tornar rebeldes e essa rebeldia nos afasta de Deus, impedindo Sua ação a nosso favor. Em decorrência disso, sofremos com o silêncio divino, como aconteceu com Saul (1Sm 28.6). Podemos ficar doentes e não acertamos em nossas ações. Davi testificou sobre isso: “Enquanto calei os meus pecados, envelheceram os meus ossos... a tua mão pesava sobre mim...” (Sl 32.3,4).

A culpa nos tortura por meio do medo, pois receamos as consequências. É preciso lembrar que após pecar, Adão e Eva fugiram da presença de Deus por culpa e medo do castigo (Gn 3.8-10). Além disso, a culpa nos faz sentir indignos das bênçãos de Deus e silenciosamente nos tenta separar dele. O profeta Jeremias retrata – de forma poética – aquilo que se passa no coração do culpado: “Veja, Senhor, como estou angustiado! Estou atormentado no íntimo e no meu coração me perturbo, pois tenho sido muito rebelde. Lá fora, a espada a todos consome; dentro, impera a morte” (Lm 1.20).

A ideia de inferno é terrível não por causa do cenário em si, mas porque as pessoas que ali estarão ficarão incessantemente remoendo, relembrando e amargando todos os seus pecados.

2 – O Sentimento de culpa é um mal terrível que nos ataca

Psicólogos, psiquiatras e neurocientistas concordam entre si que um dos problemas básicos de nossa sociedade é a culpa. É uma doença da sociedade moderna. Terapeutas têm sido desafiados a resolver esse problema que não tem limites para atacar: crianças, jovens, adultos, pessoas do campo, da cidade, cultas, incultas, simples, eruditas, todos vivem o mesmo problema. O sentimento de culpa pode gerar conflitos imensos dentro de nós. Ela provoca insônia, falta de apetite, dores no corpo, dependência de drogas lícitas e ilícitas e até a depressão profunda. Há uma lenda muito antiga que afirma que Pilatos, no inferno, em estado de intenso sofrimento, não cessa de lavar suas mãos.

 A culpa é um inimigo feroz que tem derrotado muitas vidas. Milhões de pessoas foram vencidas por ela, pois não conseguem se libertar dessa cruel escravizadora.

3 – O Sentimento de culpa pode ser vencido

Se estivermos atentos aos alertas da nossa consciência e à voz exortadora do Espírito Santo, reconheceremos nosso pecado e se, com base em nosso arrependimento, confessarmos nossos muitos erros, obteremos a vitória completa e total (1Jo 1.9).

À semelhança de Davi, se Deus nos falar “tu és o homem” (2Sm 12.7), é inadiável reconhecermos nossos erros e, em atitude de humilhação, confessarmos a Deus, da mesma forma que fez o rei, dizendo: “pequei contra o Senhor”. Somente assim o Espírito Santo irá nos confidenciar: “O Senhor perdoou o teu pecado: não morrerás” (2Sm 12.13).

 A Bíblia nos diz: “Como é feliz aquele a quem o Senhor não atribui culpa e em quem não há hipocrisia” (Sl 32.2 – NVI). Isso tem lugar por meio do perdão divino, se a nossa consciência nos condena ou o Espírito Santo nos convence de algum pecado (Jo 16.8), não devemos nos justificar ou tentar “acalmar a consciência”, mas nos arrepender, pois isso significa que Deus está nos dando uma nova chance.

A Bíblia declara que pela fé em Cristo, Deus nos torna “inculpáveis” e isso significa dizer que o Sangue de Cristo nos livra de toda e qualquer acusação (Cl 1.22). Não estamos isentos do pecado, mas quando pecarmos devemos ir a Cristo imediatamente em busca do Seu perdão. Se assim o fizermos, Ele nos purificará e renovará completamente. Assim, ficaremos livres da condenação, ou seja, seremos “fichas limpas” novamente (1Jo 1.7-9).

 Precisamos pedir a Deus discernimento para saber quando o Diabo está tomando partido da situação ou do caso e está nos acusando, pois ele é terrível e procura acusar os filhos de Deus (Jó 1 e Ap 12.9,10). Assim, quando o problema for detectado, é preciso confessá-lo imediatamente. No diagnóstico que está nos afligindo é indispensável a ação e ajuda do Espírito Santo, pois somente Ele tem poder de ir à raiz mais profunda do problema.

Conclusão

Como na cerimônia do “lava pés” (Jo 13.10), precisamos estar periodicamente “examinando a nós mesmos” (1Co 11.28) e depois “lavando” nossas consciências no sangue de Cristo. Por meio da confissão sincera de todos os nossos delitos, isso irá restaurar a paz e a alegria, além de renovar nossa comunhão com o Pai.

Não precisamos mais viver sob o peso da culpa. Esqueçamos o passado (Fl 3.13). Um pregador anônimo do século 19 escreveu: “Quando Deus joga o pecado no fundo do mar, ele também põe ali uma plaquinha, com letras escritas com o Seu dedo: É proibido pescar”.


Precisamos ser honestos conosco e com Deus, pois é somente assim que encaramos de frente nossos erros e conseguimos derrotar o devastador sentimento de culpa. Caso contrário, jamais obteremos vitória na vida (Pv 28.13). De alguma forma, a culpa é um “inferno em vida”, mas Deus – por meio de Cristo – quer nos livrar desse mal. Podemos, sim, sermos MAIS QUE VENCEDORES! Apenas precisamos seguir as instruções que estão contidas no MANUAL, a Bíblia Sagrada. 


Para pensar e agir

1. Olhe para dentro de si e se pergunte em silêncio: “quais as áreas da minha que foram afetadas pela culpa e quais as consequências”?

2. Satanás teve real participação nesses episódios ou foram provocados por mim?

3. Tenho orado a respeito disso? Tenho buscado soluções de Deus para o caso?

4. Quem mais poderá ajudar você nesse estágio de vida?

                                                              Uma excelente Aula.

Fonte: Revista Palavra e Vida da Convenção Batista Fluminense

17/09/2016

CONGRESSO MULTIPLIQUE REGIONAL


Revista Palavra e Vida 4 Trimestre - FATOS PARA HOJE- O livro de Atos dos Apóstolos





FATOS PARA HOJE

   O livro de Atos dos Apóstolos também chamado por muitos de “Atos da Igreja de Jesus Cristo”, contém inúmeras histórias que inspiram o leitor devotado e atento a ser um instrumento nas mãos de Deus. Estudar Atos é uma oportunidade de analisar a essência da Igreja de Cristo e o cuidado de Deus em guiar, proteger e orientar o seu povo. É um livro que revela o nosso “DNA”, nos instrui quanto às características que nos diferem e nos aponta o caminho seguro para simplesmente sermos uma Igreja. Também é um livro que nos motiva ao enchimento do Espírito Santo. Neste quarto trimestre de 2016 vamos investigar algumas histórias em busca dos princípios que nos permitirão cumprir as ordens do nosso Mestre Jesus.

      O médico Lucas escreveu Atos, provavelmente na segunda metade do primeiro século. Seus 28 capítulos são relatos que comprovam que a história de Jesus não terminou com Jesus. Os cristãos deram continuidade, participando ativamente da ação de Deus para alcançar os pecadores. Veremos que pessoas como nós, formaram a chamada “Igreja Primitiva”. Irmãos que aceitaram o desafio e, cheios do Espírito Santo, testemunharam acerca dos mistérios de Deus. Os resultados se estenderam até os nossos dias e deverão continuar por toda a eternidade. Daí a importância de avaliarmos os princípios (algumas disciplinas que são predominantes na Igreja de Jesus Cristo e que carecem da nossa atenção) que fizeram a diferença no primeiro século e com a devida contextualização, evidenciá- los hoje.

      A Igreja somos nós! Nossa expectativa é que após o estudo dedicado de cada lição, o aluno assuma o compromisso de agir de acordo com os princípios que fizeram da Igreja de Jesus Cristo uma comunidade separada, cheia do poder de Deus e com uma mensagem capaz de revolucionar o mundo. Vamos juntos em busca dos fatos que nos ajudarão a saber o que aconteceu com a Igreja. É tempo de retornarmos aos princípios bíblicos que levaram nossos irmãos no passado a serem chamados de cristãos (At 11.26). 
                                                Bom trimestre! 

Revista Palavra e Vida 4 Trimestre - FATOS PARA HOJE- O livro de Atos dos Apóstolos








FATOS PARA HOJE

   O livro de Atos dos Apóstolos também chamado por muitos de “Atos da Igreja de Jesus Cristo”, contém inúmeras histórias que inspiram o leitor devotado e atento a ser um instrumento nas mãos de Deus. Estudar Atos é uma oportunidade de analisar a essência da Igreja de Cristo e o cuidado de Deus em guiar, proteger e orientar o seu povo. É um livro que revela o nosso “DNA”, nos instrui quanto às características que nos diferem e nos aponta o caminho seguro para simplesmente sermos uma Igreja. Também é um livro que nos motiva ao enchimento do Espírito Santo. Neste quarto trimestre de 2016 vamos investigar algumas histórias em busca dos princípios que nos permitirão cumprir as ordens do nosso Mestre Jesus.

      O médico Lucas escreveu Atos, provavelmente na segunda metade do primeiro século. Seus 28 capítulos são relatos que comprovam que a história de Jesus não terminou com Jesus. Os cristãos deram continuidade, participando ativamente da ação de Deus para alcançar os pecadores. Veremos que pessoas como nós, formaram a chamada “Igreja Primitiva”. Irmãos que aceitaram o desafio e, cheios do Espírito Santo, testemunharam acerca dos mistérios de Deus. Os resultados se estenderam até os nossos dias e deverão continuar por toda a eternidade. Daí a importância de avaliarmos os princípios (algumas disciplinas que são predominantes na Igreja de Jesus Cristo e que carecem da nossa atenção) que fizeram a diferença no primeiro século e com a devida contextualização, evidenciá- los hoje.

      A Igreja somos nós! Nossa expectativa é que após o estudo dedicado de cada lição, o aluno assuma o compromisso de agir de acordo com os princípios que fizeram da Igreja de Jesus Cristo uma comunidade separada, cheia do poder de Deus e com uma mensagem capaz de revolucionar o mundo. Vamos juntos em busca dos fatos que nos ajudarão a saber o que aconteceu com a Igreja. É tempo de retornarmos aos princípios bíblicos que levaram nossos irmãos no passado a serem chamados de cristãos (At 11.26). 
                                                Bom trimestre!